domingo, 3 de junho de 2012

As muitas faces do Poder.


Poder, o potencial que uma pessoa tem de fazer com outras pessoas, ou que as outras façam o que ela quer e de evitar ser forçada a fazer o que não quer, é um assunto controverso, que desperta fortes reações. Enquanto o vêem como algo natural, inerente a vida das empresas, dos outros o consideram como algo ilegítimo, não nobre e prejudicial.
Poder disciplinar: com a intenção de tornar o sujeito dócil, no sentido de adestrá-lo, modificá-lo, treiná-lo, adaptá-lo e sujeitá-lo com a intenção de atingir uma maior eficiência produtiva.
Alguns exemplos: instituições fechadas e dotadas de regras, como: presídios, escolas, quartéis, fabricas...
Bio poder: corpo coletivo, ou seja, a vida das populações.
As ações políticas preocupam-se e tentam controlar: mortalidade, natalidade, longevidade, saúde pública e a proliferação de doenças.

Os homens de uma forma geral encantam-se com o poder. O poderio que almejam ponderar-se o político, o econômico-financeiro, dentre outros.


     O mérito da palavra poder (do latim potere) é literalmente, o direito de deliberar, agir e mandar também, dependendo do contexto a faculdade de exercer a autoridade, a sabedoria ou o império de dada circunstância ou a posse do domínio da influência ou da força.
Sugere então a seguinte afirmação: "Quer conhecer o verdadeiro caráter de uma pessoa, dê o poder a ela."

Acho que você também já ouviu falar: "Fulano antes do poder era uma coisa, agora é outra."
Há alguns que pensam que o poder é eterno e começam a pisar nas pessoas, se achando soberanos, mesmo sabendo que eles já passaram pelo o mesmo do seus subordinados, isso acontece em todas as esferas sociais, ontem hoje e sempre haverá.
O poder naturalmente corrompe os fracos, dita as regras na vida dos medíocres e pobres de conduta.
"O dinheiro muda as pessoas."
Pura mentira esta afirmação! O dinheiro não muda ninguém, ele apenas retira a máscara dos fracos, mostra a face daqueles que sempre sonhavam em fazer algo, apenas não fizeram por falta de recursos financeiros, com o dinheiro agora é possível demonstrar quem realmente elas são e do que são capazes.

O poder sobe a cabeça dos políticos, assessores, cargos executivos, policiais, entre outros tantos. Mais também não podemos generalizar esses fatos. 
Quem tem dignidade não se deixa levar por um sistema naturalmente corrupto e maléfico, há poucos exemplos de pessoas fidedignas (Jesus Cristo, Gandhi, Madre Tereza de Calcutá, etc..), mas essa minoria prova que só os sujos se corrompem.
Analisem a seguinte afirmação: "Não é o poder que corrompe o poder (Ulysses Guimarães)". Onde está a carne deste mal? Quantas faces possuem um homem obcecado por poder? Do que ele é capaz para chegar lá?



Um comentário: